sábado, 18 de abril de 2009

São tantas emoções...

Domingo, 19 de abril é aniversário do Rei - 68 anos de idade e 50 de carreira. O Rei, que frequentou minha infância através da minha avó e os inevitáveis especiais de fim de ano da Globo.

Nunca fui fã dele mas confesso que a noite dessa sexta-feira mudou tudo! O responsável? Carlos Evanney. O sósia e cover carioca cheio de detalhes e emoções que teve seus 5 minutos de fama no Segundo Caderno do Globo especial sobre Roberto Carlos, e que lotou o pitoresco restaurante da Lapa, A Capela, na noite desse dia 17 de abril.


Na platéia, entre os fãs que acompanham a carreia de Evanney, senhoras de meia idade (e de idade inteira), famílias completas incluindo crianças e vovós e uma mesa com 5 jovens na faixa de seus 30 anos, que destoavam do cenário almodovariano do espaço de paredes rosas, banheiros com luz negra e e clássicos garçons de paletó branco (kitsch no último). Nessa mesa estava eu.


Eu achava que estava preparada para mais essa experiência antropológica mas o que presenciei, as emoções que vivi, foram muito acima de qualquer expectativa.

Vou chamar Evanney de Rey. E deixo o legítimo com o título de nobreza maior, Rei.

Para começar, quem atendeu o telefone para fazer a reserva da mesa? O Rey! Quem é que cuida da bilheteria (o ingresso custa R$ 10,00)? A filha do Rey, a Pryncesa Roberta Carla (é sério)! Quem é que cuida do merchandising, vendendo camisetas e CDs? Yolanda, a Raynha.

Entre um sucesso e outro, das românticas às animadinhas da Jovem Guarda, o Rey falava bastante, escorregando algumas vezes no português. Divulgava o churrasco no sítio em Jacarepaguá incluindo show, cerveja e refrigerantes, e a sensacional versão Y do Emoções em Alto Mar, com uma escuna pela Baía de Guanabara. Cada evento custa a bagatela de R$ 100,00 por pessoa, e as duas primeiras edições já renderam DVDs (também a venda).

Sorteios de brindes (camisetas e CDs, claro!) e um ligeiro bingo, cujos números ele mesmo decidia, baseado nas datas importantes como o dia do churrasco e o dia do show, entretinham a platéia na programação que durou 3 horas! Pedidos de músicas e notificações de aniversariantes presentes chegavam pelos guardanapos (não resisti e mandei um em nome da minha avó).

Um canal de TV aberta registrava a grande noite e fez com que o pavão do Rey se exibisse ainda mais, dando tudo de si, se derramando em charme, sorrisos e olhares. Minha câmera também animou o palco, habitado por um tecladista e um guitarrista (sósia do Pedro de Lara), que tinha como cenografia uma lona azul, tipo de caminhão, servindo de pano de fundo, com cartazes emoldurando aqueles 3 metros de puro improviso.


Me surpreendi ao perceber que eu sabia cantar todas as músicas (exceto Mulher Pequena, que não é da época da minha avó). E confesso que me arrepiei com os primeiros acordes daquele órgão típico de churrascaria ao anunciar "Como é grande o meu amor por você" e "Outra Vez". Não resisti e comprei o CD devidamente autografado pelo Rey, que ao escrever a data invertida (ano/dia/mês) me disse que é assim que o Rei escreve! Então tá...


Para terminar o espetáculo (sim, essa é a palavra certa para definir o que aconteceu naquele lugar), Yolanda traz as rosas vermelhas e o Rey circula por todo o salão entregando pessoalmente para todas as damas presentes. Tudo devidamente registrados pelas câmeras de celular e outros flashes, na tentativa de eternizarem o grand finale.


Abraço a Raynha e digo que vou voltar e levar mais gente no próximo show. Ela agradece e abre um sorriso enorme: "Vocês abrilhantam isso aqui". Quem abrilhanta é você, Yolanda, cuidando para que a cada noite dessas mais fãs tenham a sensação de ter passado bons momentos como se estivessem ao lado do Rei, o Roberto. Eu mesma tive essa sensação diversas vezes durante a noite.

Já com o restaurante quase vazio, peço ao Rey para posar para algumas fotos e ele pergunta se sou jornalista, onde vão sair as fotos, e vejo uma ponta de decepção ao dizer que não, é só para um blog mesmo. Na crista da onda (ou tentando estar), o Rey me diz, com aquele tom de voz de quem nunca perde a majestade "Me adiciona no Orkut! Coloca as fotos lá para eu ver!" e finaliza com uma piscadinha.

Evanney, no Orkut não vai dar, mas já adicionei você na coleção de momentos memoráveis da minha vida.

Agradecimento especial ao Bro, o grande divulgador, que me permitiu viver esse momento lindo...

5 comentários:

Bro disse...

Você de companhia inesperada se transformou em presença fundamental! A Susan Boyle da noitada! Obrigado por abrilhantar mais ainda a noite! Bj

Malu Green! disse...

Que coisa mais incrível! A sua sensibilidade ao narrar o acontecimento me emocionou.
São coisas simples assim, que outros "olhares" podem ridicularizar, que enriquecem as nossas experiências, as nossas vidas.
Gostei muito, mestra de ebay ;)

UtópicA disse...

Chorei de rir imaginando vc nesse evento. Deve ter sido divertido. Cadê a SUA foto ao lado do Nney, digo, Rei?!

Jacque disse...

Engraçado....tb nao sou da epoca.Mas tb conheço quase todas as musicas. Graças a minha mae.
E assisto quando posso os especiais do fim de ano.

Sou boba..e estou um tanto quanto emotiva.
Mas quando li seu texto..me emocionei de verdade.
Vou além..e imagino como ele se sente...querido..amado..pelas fas do Rei..ou quem sabe..fas do Rey mesmo!
Eu toparia um programa desse.
Pena que estou longe.

Beijo linda.
Adorei esse post!

Wilson disse...

só um comentário...

nunca mais me deixe fora de um programa destes, hein... rs rs rs

bjs,
Wilson