quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Alegria! Alegria!

O primeiro Cirque du Soleil na vida de uma pessoa é inigualável. Depois ficam todos meio parecidos e perde um pouco a graça. Não deixa de ser um super espetáculo mas aquele impacto, aquele queixo caído, a surpresa do inesperado, só acontecem uma vez na vida cirquense de uma pessoa.

Minha primeira vez (Mystére, Las Vegas) foi exatamente o que descrevi acima: êxtase total, não sabia para onde olhar, me senti realmente uma criança, os olhos brilhavam, a boca aberta, o coração em ritmo de percurssão. Jamais vou esquecer aquela experiência. Inesquecível, em todos os sentidos.

Já a segunda vez (Saltimbancos, Paris) foi o oposto. Para começar, fui sozinha, e definitivamente não tem a menor graça fazer esse programa só e não ter com quem comentar. Esse foi o primeiro na tenda já que em Vegas são exibidos dentros dos enormes e luminosos hotéis. Foi meio deprê, basicamente por estar sozinha mesmo.

A terceira foi ontem (Alegria, Rio de Janeiro), primeira em solo tupiniquim, mas idêntica a tenda de Paris. Nota 10 para a organização mesmo para quem não é Tapis Rouge, mas um mero Mulambo Rougue. Esse é sabidamente um dos espetáculos mais água com açucar da trupe. Quem tem medo de palhaço, mantenha a distância. Mesmo assim, me diverti como há muito tempo não fazia. Até os palhaços tem lá a sua graça.

Talvez por não ser mais novidade, a gente acaba prestando atenção em coisas que antes não vimos, como por exemplo, os aspones do Cirque. Aqueles que entram fazendo firula, caras e bocas, só enchendo linguiça entre um número e outro, com pose de trapesista, mas só pega uma coisa aqui, tira a capa da contorcionista, apaga o fogo do malabarista incendiário, enfim, faz porra nenhuma! Tive um ataque de riso que achei realmente que ia ter que sair de cena!

Outra coisa incrível de prestar atenção é justamente aquela reação de primeira vez no rosto das pessoas, principalmente nas crianças. Uma emoção que dá vontade de sentir de novo, e de novo, e de novo... O primeiro é sempre o primeiro, mas quem sentiu essa sensação vai sempre voltar, querendo ser surpreendido de novo!

E coloquei na minha Bucket List: fazer aula de circo, saltar de trapézio, ou qualquer coisa do gênero, mesmo sabendo que naquele picadeiro, talvez a minha única vocação seja só de fazer firula e ser uma aspone! Já estou treinando para isso!

2 comentários:

Gastón disse...

Eu vi o saltimbanco ano passado aqui em Sampa. Gostei bastante. Vi o video do Alegria e não me animei. Agora o que eu quero muito ver é esse aqui ó:

http://br.youtube.com/watch?v=zQck4-Q0eXY

sis disse...

nossa,gastón, esse deve ser DEMAIS mesmo!!! lindo!!! até parei de ver no meio o vídeo pra não estragar a surpresa. anninha, começe a treinar!! que tal aulas em tecidos??