terça-feira, 14 de outubro de 2008

A carta

Hoje eu recebi uma carta. Isso mesmo: uma carta, pelo correio, com envelope, selo, escrita a mão. Uma carta que eu estava esperando. Uma carta de amor.

Não uma carta de amor como vocês devem estar pensando. É de um amor imensurável e incondicional. Um amor que está acima de qualquer coisa. Um amor que nos é entregue no primeiro segundo em que chegamos nesse mundo. Aquele amor de quem "daria a vida para me ver feliz", como está escrito em uma das linhas.

A letra inconfundível. O carinho e a preocupação também. As vírgulas, os pontos, as broncas... Uma carta recheada de verdades. Verdades que eu precisava ouvir faz tempo mas que ninguém tinha coragem de me dizer.

Verdades que não poderiam ser ditas por telefone, por e-mail, nem mesmo pessoalmente. Só uma carta poderia ser portadora dessas verdades. O vento leva as palavras, o tempo deixa os e-mails lá no fundo da caixa de entrada. Mas o papel vai estar comigo, nas minhas mãos, bem acessível, para me lembrar todos os dias.

Não tenho palavras para agradecer por essa carta que será a minha leitura diária matinal. Mesmo assim, vou tentar, sem muitas palavras, mas também com muita verdade.

Com todo o meu amor, do fundo do meu coração, OBRIGADA!

3 comentários:

Wilson disse...

isso mesmo, minha linda!

bem melhor assim...

Re disse...

Que lindo! Porque não recebemos mais cartas? Hein?
beijos e aproveite a sua.

ANNA disse...

Re, me dá seu endereço que vou te mandar uma!